Análise da Semana, Política Externa, Relações Exteriores

A Agenda 2030 do Paraguai

Heloysa Ramos Santana

Foi marcado para os dias 24 e 25 de julho em Assunção um seminário internacional que oficializa a agenda 2030 do Paraguai para o desenvolvimento sustentável. Esse evento contará com representantes da ONU e encontra sua importância em agregar as políticas nacionais às políticas globais, buscando a cooperação internacional, o financiamento de projetos e o desenvolvimento do comércio.

O ministro das relações exteriores, Eladio Loizaga, ressaltou no painel da OEA (Organização dos Estados Americanos) os esforços do Paraguai em atingir as metas e objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS). Mencionou a Comissão Interinstitucional para a monitoração do cumprimento dos ODS e o acordo com o PNUD que visa impulsionar as iniciativas. Complementou que a OEA deveria ter uma maior aproximação com outros organismos, oferecendo mecanismos de diálogo político que proporcionem intercâmbio de boas práticas e experiências, servindo como meio para estreitar relações e chegar a consenso de alguns pontos em comum.

No mesmo painel, Loizaga voltou a exortar a Venezuela a aprovar o Protocolo de Assunção sobre Direitos Humanos. Anteriormente, já havia dito sobre a questão da Venezuela e a violação de direitos no Conselho de Direitos Humanos da ONU no início do mês, voltando assim a mencionar a situação atual do país, visto que o protocolo é condição para a integração no Mercosul.

Também ocorreu a primeira ronda de negociações entre o Mercosul e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA), esta última composta por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein. Foram analisados temas de Acesso ao Mercado de Bens, Compras Públicas, Serviços de Investimento, entre outros. Essas negociações são estratégicas, pois possibilitaram uma maior integração com a Europa e fomentação do comércio, ampliando o acesso a esses mercados.

Essa semana, um projeto que busca aplicar 15% de imposto sobre a exportação de grãos naturais gerou protestos no país, especialmente entre os produtores de soja, que ocuparam avenidas com tratores e máquinas pesadas. Atualmente, o setor agropecuário corresponde a 19% do PIB bruto e o Paraguai é o 4º maior exportador de soja e o 6º maior produtor de soja e milho. A ministra da fazenda, Lea Giménez, advertiu sobre os impactos negativos que essa medida pode ocasionar na economia e aos produtores. Para saber mais sobre esse assunto, clique aqui.

Para saber mais:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s