Conflitos, Retrospectiva Histórica

Revolução Chinesa de 1949

Pryscila de Carvalho

É possível identificar revoluções chinesas desde o século VIII a. C; mas foi no século XX que aconteceram as revoltas que levaram a reformas que transformaram a China nos moldes em que a conhecemos hoje; são elas a Revolução Chinesa de 1949 e a Revolução Cultural.

Para entender como estas revoluções aconteceram, é preciso antes conhecer os seus antecedentes.  Em 1783 os Ingleses queriam estabelecer contato diplomático e comércio com a China, mas eram considerados inferiores pelos imperadores chineses e suas mercadorias foram rejeitadas pela população, mas não o ópio. A substância era proibida na China e após uma segunda ordem de retirada dos comerciantes de ópio do território, a Inglaterra declarou guerra contra o império chinês. A China perdeu a Guerra do Ópio e isso fez com que sua fragilidade militar fosse percebida por países como França, Japão e EUA que através de “concessões” foram obtendo o controle de pontos estratégicos do território chinês, o que fez com a China passasse a ser uma semi-colônia de várias nações. Isso resultou na formação de grupos nacionalistas que se voltaram contra o império, dando origem ao Guomindang que em 1912 proclamou a república.

Em 1949 o Partido Comunista de Mao Zedong  assumiu o poder e o Guomindang de Chiang Kai-Shek abriga-se em Taiwan. Em 1958 Mao institui a Campanha Antidireitista, que servia para punir os críticos do partido. Em 1968 acontece o Grande Salto para Frente que levou a uma grande fome, que Mao atribui a não adaptação das pessoas ao comunismo.Tem início então a Revolução Cultural que deveria moldar as pessoas ao socialismo; foi um período de intolerância e forte perseguição política.

No entanto a Revolução Cultural não surtiu o efeito desejado fazendo com que Mao adotasse um modo mais moderado e procurasse aproximação com os EUA. Em 1976 com a morte de Mao Zedong, Deng Xiaoping assume o poder. Desde então outras lideranças chinesas têm mantido o poder do Partido Comunista Chinês e mesmo com uma maior abertura econômica, a China não deixou de ser socialista.

Para saber mais:

Revolução Chinesa (Vídeo Aula):

China, da Guerra do Ópio até a Revolução (Vídeo Aula):

POMAR, Wladmir. A Revolução Chinesa. Editora UNESP

KISSINGER, Henry. Sobre a China. Editora Objetiva

HOBSBAWN, Eric. A era do extremos: o breve século XX. Companhia das Letras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s